(114) Pulsar

Pulsa, ainda pulsa, ainda pulsa

nada importa, não há razão

bate-estaca, bate forte impulsão

pulsa, pulsa, pulsa

purga nas veias

inteiras, sem meias

palavras

palavras

a dor da extorsão

da corrupção

da traição

do purpúreo coração

sente a carne, o cerne

a mente que não discerne

o real da paixão

pulsar emoção

provocação

tentação

segue desguiado

sem vista, sem mar

segue iluminado

pela ilusão a lhe enganar

ela é rocha, seca, dura, eterna

ele é abrigo, castigo, caverna

pulsam as ondas e marés

nada mais é o que é

só a maresia, o enjoar

a náusea e o navegar

todas as cores

dos amores

que ela fez por estar

que ele sentiu desperdiçar

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s